Matéria

Catarina1

Imagina na Copa

A Copa do Mundo se aproxima e vem o questionamento: o que é bom e ruim para o Brasil? 

Obras de mobilidade urbana, geração de empregos (diretos e indiretos), elevado custo de vida, feriados, etc. Esses são um dos temas mais debatidos e polêmicos do momento, chegando a dividir, e até confundir a opinião de muita gente.

Para a realização da Copa do Mundo é necessário um grande investimento em obras: construção de novos acessos, estádios e melhorias na mobilidade urbana. Tais obras estão sendo realizadas por todo o Brasil, inclusive no Estado de Pernambuco, a fim de criar uma estrutura com nível para atender as necessidades de uma cidade moderna, sede de um evento mundial. Essas melhorias trarão benefícios permanentes para o nosso estado.

Em Pernambuco foi construída, em São Lourenço da Mata, Região Metropolitana de Recife, a Cidade da Copa, uma smart city que integra, em um só local, moradia, trabalho, lazer e estudo, onde estima-se receber cerca de 100 mil habitantes nos próximos meses. Lá estão localizados unidades habitacionais, a Arena Pernambuco, uma arena indoor, parques, centro de convenções, shopping center, campus universitário, torres de escritórios e prédios públicos, além de equipamentos.

Afora esta nova cidade inteligente, dentro da matriz de responsabilidades da Copa há mais seis obras de mobilidade urbana previstas para Recife. Elas incluem duas linhas de BRT, dois corredores exclusivos para ônibus, uma estação de metrô e um terminal de ônibus nos arredores da Arena Pernambuco. Também está contido no planejamento a duplicação de vias e a construção de um viaduto na rodovia que dá acesso ao estádio para os megaeventos, em São Lourenço da Mata.

Segundo um balanço publicado pela Secretaria Extraordinária da Copa de 2014 em Pernambuco (SECOPA-PE) em 9 de maio de 2013, a duplicação da BR-408 está concluída, assim como os conectores do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre, o Terminal Integrado Aeroporto, o viaduto da Panordestina, a requalificação da Estrada da Batalha, os viadutos na BR-408 (acesso à Arena) e o Terminal Integrado do TIP. Até o final de maio, serão
entregues a Estação Cosme e Damião, o Terminal Integrado Cosme e Damião e o Ramal Cidade da Copa.

Além das obras terem gerado benefícios permanentes para o Estado, elas permitiram uma grande demanda na geração de empregos diretos e indiretos e aumento na procura por capacitação nos setores de prestação de serviços e atendimento. Segundo a Ernst & Young, empresa de consultoria internacional, muito respeitada em todo o mundo, a projeção é que o Brasil gere em torno de 3,6 milhões de empregos por conta da Copa do Mundo e das Olimpíadas de 2016. A camareira Edna Machado é um bom exemplo desse crescimento. Empregada há dois meses em um hotel do Recife, ela pretende se capacitar mais na área turística para permanecer na ocupação. “Estou muito feliz com meu novo emprego e por isso estou pensando em fazer um curso de inglês para atender melhor os turistas que vamos receber”, diz.

É importante ressaltar que o evento também vai gerar renda para o país, com o aumento do fluxo de turismo para as cidades-sede, todo seu entorno será alvo de visitas turísticas e captador de dinheiro estrangeiro, aumentando o potencial econômico de todo Estado.