Matéria

O mercado de luxo é tendência em 2014

Esses produtos são na maioria das vezes direcionados para a classe AA, principalmente para o público feminino. São mulheres que frequentam a high society e desfrutam desta vida de glamour e requintes. Profissionais respeitadas, cultas, belas e cheias de atitudes, elas consomem o que há de melhor no mercado, sejam produtos de beleza, academias, vestuário, automóveis ou restaurantes. A empresária Micheline Brilhante, de 40 anos, viaja duas vezes ao ano para fazer compras e relaxar no exterior. Na sua última passagem pelos Estados Unidos, de férias, no fim do ano passado, ganhou uma aliança da marca Bvlgari de 18 quilates de ouro amarelo, o modelo B. Zero One. “Mesmo com as lojas aparecendo por aqui, sendo uma nova opção, as compras no exterior são melhores por causa da maior variedade”, afirmou a senhora Brilhante.

Aos que acham que só jóias enchem os olhos dessas mulheres, muito se engana. Também integrante do grupo do bom gosto, a publicitária Célia Lima, de 40 anos, adora carros e é apaixonada por sua BMW, a marca do seu atual veículo. “Eu queria muito um Audi, mas o meu marido me presenteou com essa BMW e eu simplesmente me apaixonei”, disse Célia. A publicitária explica que acha importante estar renovando o modelo. Para ela o seu atual carro, o X1, tem como principal qualidade a versatilidade, além de ser ágil e suprir todas suas necessidades. Para as shopahoolic, a mala que com os bancos inclinados fica com 1.350 litros é perfeita para guardar as compras e viajar com a família e amigos.

Amante de automóveis, Marília Lucena, optou por um veículo diferente. Seu item de luxo preferido é a sua lancha, uma Cigarrete 360. A diversão náutica é usada quase todos os fins de semana para divertir-se com os filhos e o marido e relaxar dos estresses do dia a dia.

Mas, além das mulheres, os homens são fiéis clientes deste mercado e já podem encontrar seus favoritos no Estado. Relógios, carteiras, carros, roupas, perfumes são as principais tentações para eles. O empresário pernambucano Vinícius Gouveia, de 23 anos, é um comprador assumido e prefere apenas consumir artigos de luxo. “Se é tendência, eu não ligo, mas também não abro mão dos meus relógios da Rolex”, disse o jovem. Vinícius mora há seis anos na capital inglesa e sempre volta ao Brasil para visitar família e amigos no Recife. Ele conta que desde que se mudou para a Europa já visitou mais de três vezes a sede da Rolex AS, na Suíça. O jovem é um amante dos wrist watches e sempre presenteia-se com esses agradáveis mimos. Segundo o empresário, outro motivo para frequentar as lojas de alto padrão, é o atendimento VIP que é dado. “Lá você não é mais um cliente, você é o cliente! Espumante, água, café, ninguém tenta empurrar desesperadamente qualquer produto. Você é tratado como todos desejamos: com regalias”, acrescentou.

Desta forma a capital pernambucana vem se tornando uma meca dos produtos de luxo e também uma máquina de criação de potenciais compradores deste tal mercado. As empresas estão trazendo suas filiais para o Estado e investindo pesado em marketing e assessoria, aplicativos que facilitam a vida do cliente, além do relacionamento pelas redes sociais. A economia é outro ponto positivo. A facilidade com os créditos bancários, os inigualáveis cartões de crédito e a sociedade culturalmente direcionada ao consumo, que foi criada no começo dos anos 2000, são pontos que só influenciam o crescimento dos mercados de luxo, que passarão bastante tempo como tendência mundial, nacional e estadual. ICON-01

Maria Eduarda Costa