Matéria

O que fazer se você não vai aos jogos da Copa

A programação da ilha vai bem além das piscinas dos hotéis e das praias próximas. “Hoje, todas as trilhas locais são adaptadas, o que beneficia o acesso tanto de pessoas com necessidades especiais, como idosos e crianças”, conta Fabiana Falcão de Sanctis, diretora administrativa do Dophin Hotel, localizado no arquipélago. Outro programa que encanta as crianças é o passeio pela Baía dos Golfinhos e o passeio de nave – barco que tem fundo de vidro, onde se pode observar a vida subaquática e ter uma aula sobre peixes.

Também é possível visitar o Projeto Tamar, que acompanha a reprodução das tartarugas marinhas, quando a praia fica cheia de ninhos é possível acompanhar as tartaruguinhas nascendo. Na praia do Sueste, há capturas intencionais de tartarugas que as identificam, classificam e monitoram, para pesquisar e proteger a espécie. Somam-se a isto, todas as belezas naturais da ilha.

Para quem não quer ir muito longe uma ótima alternativa é a praia de Porto de Galinhas. Por lá os hotéis da região estão se preparando para receber os visitantes que queiram aproveitar a estadia durante a Copa para conhecer e relaxar no balneário eleito por diversos anos como a praia mais bonita do país; e também para as famílias que optem por programas mais tranquilos nas datas dos jogos.

No tradicional Hotel Armação, será montado um telão para assistir aos jogos. A programação prevê ainda atividades de esporte e lazer diferenciadas com o tema da copa, desafios e brindes. Aproveitando o bom momento gerado pelos jogos e outros eventos, o Grupo Armação também vai lançar, no final de fevereiro, um outro hotel, de perfil executivo. O Kembali (termo de origem indonésia que significa “bem vindo” ou, ainda, “bem vindo de volta”) conta com design e decoração inovadores e 63 quartos de frente para o mar. ICON-01

Paula Walter