Matéria

(NOVO)Post_Revista Mercado Aberto-23

Vida saudável em foco

Preocupação com saúde e boa forma movimenta a economia e cria novas modalidades de negócios.

A expectativa de vida média do brasileiro cresceu nas últimas três décadas de 62,5 para 74,6 anos segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). São pessoas que mudaram seus hábitos alimentares, compram a casa própria, viajam, estudam mais dando maior atenção à saúde e apresentação.

Para o setor privado, com um faturamento anual de cerca de R$ 140 bilhões, as perspectivas parecem só apontar crescimentos para os próximos anos. De acordo com as estimativas da Organização Mundial da Saúde, os negócios no setor cresceram mais de 10% a cada ano, ao longo da última década.

Em Pernambuco não é diferente, com mais de 4.800 estabelecimentos médicos, entre clínicas e hospitais, o estado é o maior pólo médico do Norte e Nordeste. A variedade de serviços aliada à alta qualidade, fez com que 11% do volume total de pessoas que visitaram o Estado procurassem algum serviço da área em 2012. Sempre expansivo, a área hospitalar agrega hoje altos valores de investimento, aliada a uma gama de cursos universitários e profissionalizantes que buscam saciar a demanda de mão de obra especializada. ICON-01

Bem-estar vira mercado

Saúde e bem-estar não se limita a clínicas e hospitais. Segundo os estudos da Euromonitor, uma das principais consultorias no ramo de alimentos saudáveis, a venda de produtos diet, light, sem glúten, sem lactose, naturais e orgânicos, cresceu 82% de 2004 a 2009, chegando a R$ 15 bilhões ao ano. É previsto que para este ano, só a alimentação natural e os suplementos, terão uma expansão de 40%. O pernambucano também, se preocupa cada vez mais com a saúde e a qualidade da vida. Esta tendência atrai para o Estado, franquias de restaurantes e comércio de alimentos que focam em saladas e produtos orgânicos.

A boa forma e a estética aliadas à saúde podem transformar-se em um ótimo negócio. Pernambuco começa a prosperar no segmento com a consolidação de franquias internacionais e a proliferação de academias, clínicas de beleza, estúdios de pilates e etc. Segundo informações do Conselho Regional de Educação Física (CREF), já são mais de 130 academias credenciadas só na capital pernambucana. Mas todo esse crescimento está aliado a um nível maior de exigência por parte dos clientes, que demandam, principalmente, acompanhamento individualizado e pacotes extensos de atividades. Atualmente academias têm investidos em serviços extras que, além do básico “puxar ferro” ou dedicar-se apenas a esteira, oferecem restaurantes com opções de alimentos saudáveis, salões de beleza e até parcerias à spas urbanos, procurando aliar tratamentos estéticos e à possibilidades de combater o estresse caudado pela correria do dia a dia com procedimentos relaxantes. A empresária Luana Souto, 36, é um exemplo das mudança de hábitos. “A gente sempre escuta falar, mas quando começamos a nos preocupar com o que comemos, em como vai nossa saúde, ou até quando inclui algum exercício diário, percebo como consigo produzir muito mais em um dia”, atesta. 

Iago Freitas